Durante a pandemia do novo Coronavírus, reduzir o risco de um segundo infarto é mais importante do que nunca

Reduzir o risco de outro evento cardíaco e permanecer o mais saudável possível é mais importante do que nunca.

Nos últimos meses, a pandemia do novo Coronavírus pôs o mundo em alerta. Recém descoberto, o vírus COVID-19 é uma doença infecciosa que apresenta um quadro clínico que varia de infecções assintomáticas a quadros respiratórios graves.1

E de acordo com os últimos dados da doença, idosos e pessoas com doenças coronarianas tem maior probabilidade de desenvolver a COVID-19 com sintomas mais graves. Pois o Coronavírus, assim como outras doenças virais, pode danificar o sistema respiratório e dificultar o trabalho do coração.2

Baseado nisso, a indicação para os pacientes que já passaram por um infarto cardíaco, é que tomem medidas adicionais para reduzir o risco de um novo evento. Para isso, as mudanças no estilo de vida e o trabalho em conjunto com seu médico para o manejo da sua saúde, são fundamentais para ajudar a minimizar o risco de um segundo evento cardíaco. Ou seja, é preciso ficar atento aos fatores de risco que desencadearam o primeiro infarto e que prevaleceram depois do evento, estes podem estar colocando sua saúde em perigo. 3

E como a grande maioria dos infartos podem ser evitados, é importante seguir as recomendações médicas para reduzir seus fatores de risco. Converse com seu médico sobre um plano de prevenção secundária e considere seguir as etapas abaixo: 3

  • Previna a sua contaminação: Antes de mais nada, é preciso se prevenir quanto a contaminação do Coronavírus, para isso, lave com frequência as mãos até a altura dos punhos, com água e sabão, ou então higienize com álcool em gel 70%; evite tocar no rosto; mantenha os ambientes limpos e bem ventilados; e siga o isolamento social, essas medidas são fundamentais na prevenção da contaminação do COVID-19.1

 

  • Siga as orientações médicas: Tomar as medicações conforme prescrito e seguir as orientações médicas, são medidas imprescindíveis para o sucesso do tratamento e minimização dos riscos de um novo infarto. Assegure-se de ter pelo menos duas semanas de tratamento em casa e para diminuir a exposição ao Coronavírus, encomende seus medicamentos para que sejam entregues na sua residência.2

 

  • Adote hábitos saudáveis: A mudança no estilo de vida após um infarto cardíaco é fundamental no controle dos fatores de risco de um novo infarto, como a diabetes, hipertensão e colesterol alto. Por isso, se alimente de forma saudável, insira frutas e legumes na sua rotina alimentar, evite consumir alimentos gordurosos e doces; Pare de fumar, neste momento seus pulmões precisam estar mais saudáveis do que nunca; Se exercite em casa; E tome seus medicamentos conforme prescrito. Essas medidas fortalecerão seu sistema imunológico.3,4

 

  • Mantenha seu acompanhamento médico: Mantenha suas consultas de acompanhamento, elas auxiliam os médicos a acompanhar sua condição e recuperação. Entre em contato com o consultório médico e avaliem a possibilidade de uma consulta virtual.3

 

  • Procure ajuda: Caso sinta os sinais de alerta de um infarto cardíaco, como dor no peito, falta de ar, tontura, desconforto nos braços e etc, não hesite em procurar ajuda. Embora o Coronavírus tenha mudado a rotina dos hospitais, ele ainda é o lugar mais seguro para buscar ajuda. Ligue para emergência o mais rápido possível e lembre-se que minutos importam.5

Por último, busque suporte. É normal se sentir com medo, sobrecarregado ou confuso após um infarto, principalmente em uma situação de pandemia global. Obter apoio de entes queridos ou de pessoas que também sofreram um ataque cardíaco pode ajudá-lo a lidar com isso.

Referências:

  1. MINISTÉRIO DA SAÚDE, Sobre a Doença. Disponível em: <https://coronavirus.saude.gov.br/sobre-a-doenca>. Acesso em 09 jul, 2020.

 

  1. CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION, People of Any Age with Underlying Medical Conditions. 2020. Disponível em: <https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/need-extra-precautions/groups-at-higher-risk.html>. Acesso em 09 jul, 2020.

 

  1. AMERICAN HEART ASSOCIATION, As COVID-19 Cases Increase, Preventing a Second Heart Attack or Stroke is Vital. 2020. Disponível em: <https://newsroom.heart.org/news/as-covid-19-cases-increase-preventing-a-second-heart-attack-or-stroke-is-vital>. Acesso em 09 jul, 2020.

 

  1. AMERICAN HEART ASSOCIATION, Resources to Maintain Healthy Lifestyle Amidst COVID-19 Outbreak. 2020. Disponível em: <https://newsroom.heart.org/news/resources-to-maintain-healthy-lifestyle-amidst-covid-19-outbreak>. Acesso em 09 jul, 2020.

 

  1. AMERICAN HEART ASSOCIATION, 5 Reasons Hospitals are Safe for Heart, Stroke Emergencies — Even in the Pandemic. Disponível em: <https://www.heart.org/en/coronavirus/coronavirus-covid-19-resources/5-reasons-hospitals-are-safe-for-heart-stroke-emergencies-even-in-the-pandemic >. Acesso em: 09 jul, 2020.

 

  1. Imagem Freepik: <a href=”https://br.freepik.com/fotos-vetores-gratis/mulher”>Mulher foto criado por freepik – br.freepik.com</a>