Ataques cardíacos em mulheres mais jovens

Mulheres americanas mais jovens estão sofrendo ataques cardíacos a um ritmo mais alto do que há 20 anos – mesmo que o quadro tenha melhorado para os homens mais jovens.

Essas são as principais conclusões de um novo estudo de quatro comunidades americanas, no qual pesquisadores relatam que a frequência de ataque cardíaco entre mulheres com menos de 55 anos tem aumentado constantemente desde 1995. Em contraste, a taxa caiu entre os homens dessa faixa etária.

Em 2014, essas mulheres mais jovens foram responsáveis por 31% das hospitalizações por infarto do miocárdio – um aumento de 21% no final da década de 1990.

Não está totalmente claro por que os ataques cardíacos aumentaram entre as mulheres mais jovens. Mas o período de estudo abrangeu um período de aumento das taxas de obesidade em todo o país.

“As mulheres jovens têm uma maior prevalência de obesidade que os homens da mesma faixa etária, e isso é especialmente verdadeiro entre as minorias”, disse a pesquisadora sênior Melissa Caughey. Ela é instrutora em cardiologia na Universidade da Carolina do Norte, em Chapel Hill, nos Estados Unidos.

“A obesidade pode ser um fator de risco para hipertensão arterial e diabetes”, disse Caughey, “e os três podem levar a um risco maior de ataque cardíaco”.

Na verdade, o estudo descobriu que a hipertensão arterial e o diabetes eram mais comuns entre as mulheres mais jovens que sofreram um ataque cardíaco, em comparação com seus pares masculinos.

A Dra. Suzanne Steinbaum apontou que “obesidade, pressão alta e diabetes parecem ser mais prejudiciais para as mulheres”. Ela é uma porta-voz da American Heart Assossiation que não estava envolvida no estudo.

“Eu gostaria de poder dizer que estou surpresa com esses resultados, mas não estou”, acrescentou Steinbaum, que dirige a prevenção cardiovascular, saúde e bem-estar das mulheres no Hospital Mount Sinai, em Nova Iorque.

Os resultados são baseados em um estudo de 19 anos de adultos que vivem em quatro comunidades americanas na Carolina do Norte, Mississippi, Minnesota e Maryland. Durante esse tempo, houve quase 29.000 hospitalizações por infarto do miocárdio: 30% eram pessoas de 35 a 54 anos.

Um problema, de acordo com a equipe de Caughey, é o mito duradouro de que a doença cardíaca é uma “doença do homem”. Segundo Dra Steinbaum, mesmo entre os médicos, disse ela, há um “viés inconsciente” para levar condições como a pressão alta menos a sério nas mulheres, em comparação com os homens.

O estudo descobriu que mulheres mais jovens com ataques cardíacos eram menos propensas do que os homens a obter medicamentos recomendados para reduzir o risco de outro ataque.

Para as mulheres, disse Caughey, os achados ressaltam a importância da atenção precoce à prevenção.

“Muitos dos fatores de risco para ataque cardíaco são modificáveis”, disse ela. “Embora nunca seja tarde demais para adotar um estilo de vida saudável para o coração, mais cedo é melhor. E isso é algo que as mulheres jovens podem ter em mente”.

No entanto, isso pode ser mais fácil de dizer do que de fazer – e isso é uma grande parte do problema, de acordo com Steinbaum. Mulheres de 30 a 50 anos trabalham e criam crianças, e podem estar cuidando de pais idosos também.

“As vidas das mulheres de hoje são realmente complicadas”, disse Steinbaum. “Precisamos descobrir uma maneira de cuidar de nós mesmos também.

Levantar e andar durante o dia é fundamental, ela disse – se isso significa ir à academia, dar um passeio ou tocar música e dançar com seus filhos.

“Exercício é o melhor remédio”, disse Steinbaum. “Reserve um tempo, o melhor que puder, para conseguir esses 150 minutos de atividade toda semana”.

Um segundo estudo na mesma edição destaca a importância de simplesmente sair do sofá. Ele seguiu mulheres mais velhas, descobrindo que quanto menos tempo as mulheres passavam sentadas ou deitadas ao longo do dia, menor era o risco de sofrerem um ataque cardíaco.

Fonte: https://consumer.healthday.com/cardiovascular-health-information-20/heart-attack-news-357/heart-attacks-rising-among-younger-women-742877.html